Arquivo da categoria ‘DICAS’

Cultivar orquídeas é mais fácil do que voce pensa.

05/02/2014

Cultivar orquídeas como muitos pensam não é difícil. Se voce pode cultivar plantas ornamentais, avencas, samambaias e violetas em sua casa, voce também pode cultivar orquídeas. Como qualquer outra planta, as orquídeas precisam apenas de um ambiente favorável para sobreviverem. São plantas resistentes e de fácil adaptação.

Assim, dentro da linha de divulgação da orquidófilia como “hobby“, tudo o que voce precisa é um pouco de conhecimento e de cuidado. Como  as outras plantas, a orquídeas precisa de: água, adubação, rega, luminosidade e umidade do ar.

De forma simples, vamos procurar esclarecer a maioria das dúvidas dos pretendentes a orquidófilo.

As orquídeas são parasitas? Não. Na natureza as orquídeas vivem nas árvores, mas usam apenas como suporte para crescer, não sugando a seiva e não causa nenhum dano nas árvores.

A orquídea custa muito caro? Não. o valor é acessível a todos os bolsos. qualquer pessoa pode  adquirir uma orquídea. Os métodos modernos de reprodução, tornam possível a aquisição de belas plantas em floração. (adultas).
Se voce quer cultivar a paciencia, pode adquirir mudas para aprender a cultivar a partir de R$ 10,00 (dez reais) nas exposições de orquídeas.

As orquídeas são todas iguais? Não. Há uma diversidade muito grande. Temos plantas minúsculas de 2 centímetros de altura até plantas de 5 a 6 metros. Também variam de cor, forma e trato cultural.

Podemos plantar orquídea na terra? Só as orquídeas terrestres. A maioria são classificads como epífitas (vivem nas árvores) e para cultiva-las em vasos devemos usar um substrato específico para orquídeas.

Todas as orquídeas tem perfumes? Nem todas. Algumas tem perfume intenso que podem perfumar o local onde se encontram. Outras não tem perfume mas o odor específico que por nós não é percebido atrai os insetos polinizadores. Também tem orquídeas com odor não agradável que sentimos ao aproximarmos da flor.

Quanto tempo dura a flor?  Depende. As flores de híbridos do gênero Cattleya podem durar de 1(uma) a 4 (quatro) semanas na planta. Outras do gênero Phalaenopsis, duram até 4(quatro) meses.

Quais as orquídeas mais populares? As espécies e híbridos mais encontardas são do gênero: Cattleya, Brasilaelias, Hadrolaelias (ex. Laelias), Dendrobium, Phalaenopsis e atualmente é vista com muita frequencia em exposições as Vandas. (ainda de valor não tão acessível).

Quando devo replantar minha orquídea? Somente quando o substrato estiver velho ou quando os pseudobulbos estverem fora do vaso.

Posso replantar num vaso grande? O vaso deve ser proporcional ao tamanho da planta, sendo planta de crescimento horizontal, encoste o pseudobulbo mais velho na borda do vaso e deixe um espaço para o crescimento de mais 2 pseudobulbos. Sendo planta de crescimento vertical, a planta deve ser plantada no centro do vaso com um espaço em volta de aproximadamente 5cm.

Onde posso comprar orquídeas? É aconselhavel adquirir sua planta de boa procedência. Isso evita que compre plantas doentes que morrem após a floração. Muitos produtores vendem suas plantas nas exposições, é importante que esteja com identificação e em bom estado vegetativo.

Onde posso aprender mais sobre orquídeas? Embora seja facilmente encontrada informações na internet, é aconselhavel adquirir livros, revistas e principalmente associar-se a uma entidade orquidófila, onde terá informações, além de troca de experiências, podendo adquirir plantas através de sorteios e rifas feitas durante as reuniões.

CULTIVAR ORQUÍDEAS EM CASA OU NO APÊ

27/01/2014

Cultivar orquídeas em casa ou no apartamento não é difícil, um pouco de dedicação é recompensada com uma bela floração.

A Família Orchidaceae é muito grande, algumas espécies são de fácil cultivo,outras podem não se adaptar tão rapidamente.  As orquídeas na sua maioria são plantas epífitas, isto é, crescem apoiadas em galhos de árvores, NÃO são parasitas, como muitos consideram.

As orquídeas mais comuns tem o seu  crescimento vertical ou horizintal, esse fato determina como devem ser cultivadas em nossas casas. As orquídeas tipo Cattleya tem o crescimento horizontal, sempre emitindo um novo broto a partir da gema lateral do anterior e as orquídeas tipo Vandaceas crescem sempre na vertical, reramente emite um broto lateral.

Alguns fatores básicos devem ser observados para ter sucesso no cultivo das orquídeas. A maioria das orquídeas aparece no ambiente natural, em locais onde há alta umidade atmosférica. A necessidade de água varia para cada espécie. Em nossas residências, a umidade é muito baixa e o vento ajuda a ressecar mais. Pulverizando-as nos dias mais quentes, aumentamos a umidade.

As plantas com raízes e folhas muito finas, ou sem pseudobulbo, exigem substrato sempre úmido. As plantas de folhas mais grossas, duras e com pseudobulbo, só devem ser regadas quando o substrato estiver quase seco.

Alaticaulia infracta - planta de folha fina, sem pseudobulbo.

Alaticaulia infracta – planta de folha fina, sem pseudobulbo.

As orquídeas precisam  de muita luz, mas não exponha as plantas ao sol direto. As plantas com folhas mais grossas preferem lugares mais iluminados do que as plantas de folhas mais finas. Com insuficiência de luz, os bulbos crescem fracos, as folhas muito escuras e não florescem. Assim, numa varanda, um local bem iluminado na área de serviço, uma janela que filtre a luz direta do sol, são locais satisfatórios para o cultivo em casa.

Cattleya trianae - planta de folhas grossas e pseudobulbos.

Cattleya trianae – planta de folhas grossas e pseudobulbos.

Tipo de crescimento e sistema vegetativo

09/04/2013

O orquidófilo deve observar os sistemas vegetativos das orquídeas, para entender seu crecimento e poder melhorar seu cultivo.

TIPOS DE CRESCIMENTO

SIMPODIAL – Crescimento linear, cresce para o lado oposto se plantada em um vaso.

MONOPODIAL – Crescimento vertical, caule com crescimento contínuo.

SISTEMA VEGETATIVO

CESPITOSO – Termo botânico, é quando as plantas crescem e lançam novos brotos geralmente formando uma touceira.

REPTANTE – Termo botânico, é quando as plantas vegetam e crescem de maneira paralela ao ponto de apoio, galho ou substrato.

ESCANDENTE - Termo botânico, é quando as plantas crescem lançando novos brotos para o alto, subindo procurando a luz.

PENDENTES – Plantas com pseudobulbos voltados para baixo.

SUBCESPITOSO – Sistema vegetativo misto entre cespitoso e escandente.

AÉREAS – Plantas com poucas raízes de fixação e muitas raízes soltas no ar.

Exposições de Orquídeas em 2013

30/12/2012

Já relacionamos as datas e as cidades que terão exposições em 2013. Peço às associações que enviem os cartazes das exposições para ajudarmos na divulgação.

Fonte: CAOB – http://www.caob.com.br

Flor de labiata com boa armação

03/03/2011
Quando a sua Cattleya labiata estiver com a flor abrindo, incline o vaso para frente, claro colocando algo para sustentar.
A tendência é que a flor “se jogue” para trás, ficando assim bem armada.
 
(dica do Sr. Ivo Mendonça – conhecido labiateiro, postado por Roseli Cassola – lista Mundo Orquidófilo Yahoo)
 
 

Acelere o enraizamento

11/02/2011

Deixe-as as mudas mergulhadas em um pouco de água com umas 10 gostas de complexo B durante uma noite. A vitamina B1(tiamina) ajuda no enraizamento.

Replante de purpuratas

23/11/2010

Segundo o orquidófilo e grande conhecedor das purpuratas  Dr. Angelo Lo Ré, não devemos fazer o replante das Hadrolaelias purpuratas nos meses do ano que tem a letra “R”.

fevereiro / março / abril = nesses meses elas estão em dormência após a floração.

maio / junho / julho  / agosto =  nesses meses elas estão emitindo novos brotos e podem ser replantadas.

setembro / outubro = nesses meses elas estão emitindo espatas

novembro / dezembrro / janeiro= nesses meses elas estão florindo ou com flores

vale a pena conferir.

O uso da canela em pó

06/10/2010

Muito usado como bactericida natural, a canela em pó pode ser usada sobre os cortes na planta, em caso de retirada de qualquer parte ou na divisão. Podemos também fazer um chá de canela em pau e pulverizar nas plantas, atuando como fungincida natural

Catasetum

03/03/2010

DICAS E SUGESTÕES PARA MELHOR CULTIVAR SEUS CATASETUM

RECIPIENTES – potes plásticos, furado 1,5 a 2 cm a cima do fundo, para que possa ficar depósito de água. tamanho 0,5 a 1 litro.

SUBSTRATO – não achei nada que substitua o xaxim com o mesmo ou melhor resultado

REGAR – sempre que estiver seco, se possível na parte da manhã.

REPLANTE – todo ano geralmente mês de julho e agosto. Quando começa a brotação. Antes de soltar as raízes novas, corta-se todas as raízes velhas, assenta-se os bulbos sobre o substrato; não enterrar.

MUDAS – sempre que a planta tiver com 5 ou mais bulbos, dobrar o último para trás, até estalar, procurar não deixar separar, volta-se na mesma posição e amarra nos arames que se pendura o vaso, no caso de separar, coloca-se o bulbo solto em cima do substrato, alguns poderão brotar.

ADUBAÇÃO – usar adubo foliar 30-10-10 (pulverizar, não escorrer).

Usar adubo orgânico AMINOPUS ou outro similar, dose nunca acima do que indicado na bula, melhor ainda repartir a dosagem de 1 5 dias cm 1 5 partes diárias, procura usar alternando dia a dia um outro adubo.

ÀCAROS – é o maior inimigo dos Catasetum, combater com VERTIMEC, 3 vezes, sendo uma vez por semana, para que possa eliminar os ovos.

ESTUFA – sempre coberta com telha plástica, tela com 70%, somente nas laterais.

OBSERVAÇÃO – os Catasetum gostam de boa ventilação, não suportam umidade nas folhas por mais de 12 ho­ras, (as folhas criam manchas pretas nas pontas). Devido a isto se aconselha sempre a regar na parte na manhã.

 Orientador: Egel Perazolli (Falecido em 12/2006, aguardar sucessor)

                                     Rio Claro SP.

MEU BREVIÁRIO DE ORQUIDÓFILO

19/02/2010

Observações que podem servir atualmente

Dr. Adolfo Souza Grota

Após alguns anos de lida com orquidáceas e de trato de orquidófilos, tendo tido muitas alegrias e também muitas decepções, compuz este breviário para meu uso pessoal.

 1.      Não devo ter mais orquidáceas do que as que posso tratar bem.

 2.      Devo tratá-las como entes vivos e procurar compreendê-las, o que talvez constitua a meta mais importante da orquidiofilia.

 3.      Não devo mudar nada numa planta que está sempre progredindo e melhorando: é uma planta satisfeita e qualquer mudança introduzida poderá prejudicar seu ritmo,

 4.      Devo mexer o menos possível em minhas plantas, não as trocando de lugar todo o momento. Devo lembrar-me que elas, a custo, criaram um ambien­te favorável e a ele se adaptaram, portanto não as devo perturbar.

5.      Devo ter cuidado com as doses dos inseticidas, porque poderá prejudicar minhas plantas.

 6.      O mesmo cuidado devo ter também com a adubação: não devo exigir que minhas plantas atinjam um desenvolvimento excepcional, por que elas se desenvolverão sempre dentro de  certos límites.

7.       Devo passar todo tempo que puder com minhas plantas, a fim de conhecê-las melhor.

 8.       Devo estudar e observar minhas plantas e não seguir palpites na cultura delas.

9.      Devo fazer tudo direito para me tornar um bom orquidófilo e cultivador.

10.    Devo tormar parte nas exposições mas não discu­tir julgamentos nem prêmios, porque o prêmio máximo é a prova de cooperação que dou, levan­do minhas plantas a elas.

 11.    Devo visitar os orquidófilos amigos procurando sempre levar-lhes uma bonita orquídea  ou uma muda de uma orquidácea, que lhes vão causar prazer.

12.    Devo olhar as plantas dos amigos, mas não dar nenhuma opinião sobre elas, a não ser que seja solicitado a fazê-lo. É próprio da vaidade hu­mana julgar que o que se tem é o melhor.

13.    Devo dar minha opinião simplesmente, procuran­do termos que não firam a sucetibilidade de ninguêm. Devo lembrar-me que a orquidofilia é um meio de aproximação, de fazer amigos e não inimigos.

14.    Nunca devo dizer que minha planta é melhor, embora, às vêzes, pense assim.

 15.    Devo, quando solicitado, dar os conselhos que me forem pedidos, bem claramente, procurando com eles orientar o orquidófilo novato, não me esquecendo de que já passei por este período.

16.    Não devo fazer segredo de nada que sei, por que devo ter sempre presente que, agindo de modo contrário, nada mais sou do que um egoísta.

Obs.: Este “Breviário” foi oferecido pelo orquidófilo Dr. Adolfo Souza Grota, aos Associados da Sociedade Bandeirante de Orquídeas, no final de uma palestra, em 21 de outubro de 1969.


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 38 outros seguidores